Notícias

Você está aqui:

Luciomar Santos Werneck, novo presidente da AESabesp, fala sobre expectativas para gestão

Eleito para o triênio 2022-24, o engenheiro diz que os principais objetivos para os próximos anos são ampliar o quadro associativo e concluir o empreendimento do Museu Água de SP, iniciado na gestão anterior.

Compartilhar:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

O novo presidente da Associação dos Engenheiros da Sabesp – AESabesp, Luciomar Santos Werneck, eleito para o triênio 2022-24, fala sobre as expectativas para a gestão nos próximos três anos.

Segundo Luciomar, os principais objetivos são ampliar o quadro associativo e concluir o empreendimento do Museu Água, iniciado na gestão anterior, liderada por Viviana Borges. O foco também estará na realização do 33º Encontro Técnico AESabesp/Fenasan 2022, que acontecerá entre os dias 13 e 15 de setembro, no Expo Center Norte/SP.

Membro da Associação há mais de duas décadas, o engenheiro destaca que “ao longo desses anos, entendi que o voluntariado é gratificante, assim como a atuação profissional no setor. Levar saneamento às pessoas é saúde, vida, dignidade. É humano, solidário e empático”.

Confira a entrevista:  

Portal AESabesp – Como novo presidente da AESabesp, o que espera realizar nestes três anos de mandato? 

Luciomar Santos Werneck – Nosso esforço será para ampliar o quadro associativo, concluir o empreendimento iniciado do Museu Água, na gestão anterior, retomar a Fenasan presencial (se as condições sanitárias permitirem), assim como o Encontro Técnico AESabesp.

Nesses dois últimos, pretendemos, além de retomá-los, ir em busca de um crescimento que ratifique definitivamente a AESabesp como referência nacional e internacional em eventos de desenvolvimento técnico no setor de saneamento. 

Ainda pretendemos desenvolver outros projetos que utilizem o talento de nossos associados, profissionais altamente capacitados e qualificados, um banco de especialistas. Também queremos promover a integração dos nossos associados com os eventos socioculturais e fortalecer a gestão do ESG.  

Portal AESabesp – Quais foram as principais conquistas e contribuições da associação neste período desafiador de pandemia? 

Luciomar Santos Werneck – A AESabesp demonstrou sua capacidade inovadora e adaptativa ao migrar seus cursos presenciais para virtuais de uma forma ágil. Isso permitiu um crescimento no número de cursos e de participantes, principalmente pessoas de fora de São Paulo, que não precisaram se deslocar até a nossa sede para participar. 

De forma semelhante, realizamos dois Encontros Técnicos virtuais em uma plataforma especialmente desenvolvida para nosso evento. No segundo evento, conseguimos realizar na mesma plataforma a Fenasan 2021, com participação de 60 expositores. 

Outra grande conquista foi o início do processo de implantação do Museu Água de São Paulo.  

Portal AESabesp – De modo geral, como você avalia o trabalho do setor, também considerando o cenário atual? 

Luciomar Santos Werneck – O setor de saneamento ainda carece de investimentos. O Marco Regulatório do Saneamento promete atrair investimentos da iniciativa privada, mas será que serão suficientes para atingir as metas de universalização? E a que custo esses investimentos irão onerar as tarifas? 

Me preocupa o foco na iniciativa privada, sabendo que há empresas estatais e municipais com gestões eficientes. O quanto elas serão impactadas? Recentemente, as empresas com contratos vigentes tiveram que demonstrar sua capacidade econômico-financeira e muitas das empresas do norte nordeste não conseguiram demonstrar que podem honrar com as metas de cobertura estabelecidas. Fato que não ocorreu com a Sabesp que tem investido muito nesses últimos anos. 

Portal AESabesp – Como você começou a sua história no setor de saneamento e na AESabesp? 

Luciomar Santos Werneck – Entrei na Sabesp em 1992, na região de Itapetininga. Lá, tive a oportunidade de atuar na implantação de sistemas em comunidades rurais no Alto Ribeira, que na época era conhecido como “ramal da fome”. Imagine se as pessoas dessas comunidades tinham ou têm condições de assumir os custos em suas tarifas de todo investimento realizado? 

Em 1998, eu vim para a capital e passei a me envolver mais com as atividades da AESabesp, a ponto de criar o Polo AESabesp Leste em 2001. A partir daí estive no Conselho Fiscal, Deliberativo, Coordenadoria Editorial, Diretoria Financeira e de Inovações até chegar à gestão atual. 

Portal AESabesp – Que contribuições a associação trouxe para sua vida pessoal e profissional? 

Luciomar Santos Werneck – Sem sombras de dúvidas me tornei uma pessoa melhor. A convivência com grandes profissionais trouxe reflexos e aprendizados, técnicos e de gestão. Aprendi a lidar com as adversidades. Que o coletivo consegue dar mais frutos que o individual. Que sempre podemos aprender, mesmo ensinando. Principalmente que problemas técnicos requerem soluções técnicas.